N SemanárioPolíticaMinistra não promete lei para rever freguesias extintas até...

Ministra não promete lei para rever freguesias extintas até autárquicas

-

- Publicidade -

A ministra que tutela as autarquias não se comprometeu, hoje, com a apresentação ao parlamento, pelo Governo, de uma proposta de Lei-Quadro que permita a reposição de freguesias extintas em 2013 a tempo das próximas eleições autárquicas.

A preocupação com os prazos para apresentação da proposta foi comum à generalidade dos grupos parlamentares que hoje ouviram a ministra Alexandra Leitão no parlamento, no âmbito das audições relativas ao Orçamento do Estado para 2021 (OE2021).

O Governo está a preparar, em conjunto com a Associação Nacional de Municípios (ANMP) e com a Associação Nacional de Freguesias (Anafre), uma proposta para submeter à Assembleia da República, que define critérios para a criação, extinção e modificação de freguesias, permitindo àquelas que foram agregadas ou extintas na reforma administrativa de 2013 reverter o processo, se o quiserem.

A aprovação de uma lei sobre o tema é da reserva da Assembleia da República, mas PSD, PCP, Bloco e CDS-PP pretendem saber quando é que a proposta de diploma que o Governo está a preparar há meses será entregue para discussão e aprovação, tendo em conta que no próximo ano se realizam eleições autárquicas.

Também a Anafre, na semana passada, ouvida no parlamento, repetiu que está à espera que a proposta do Governo seja aprovada pelo Conselho de Ministros, o que já tinha dito no mesmo local no início de outubro e que não aconteceu até agora.

Apesar da insistência dos deputados, a ministra não se comprometeu com um prazo para a entrega da proposta..

Salientou, contudo, que, mesmo após a aprovação desta lei, que será “geral e abstrata”, pela Assembleia, cada freguesia que quiser reverter o seu processo de fusão ou extinção terá de o aprovar nos órgãos locais e submeter depois o seu pedido ao parlamento, que terá que aprovar cada pretensão caso a caso, o que demorará algum tempo.

“A ideia do Governo [na sua proposta] é que haja um período anterior às eleições em que não pode haver mexidas, em que não podem ser criadas nem extintas freguesias. Parece-nos que tem de haver um período de carência ou um período em que este processo não possa ocorrer”, sublinhou, considerando seis meses – o que corresponderia a partir de março próximo – o período razoável para que o mapa autárquico ficasse estável, tendo em conta a realização de autárquicas em setembro ou outubro de 2021.

A ministra salientou, contudo, que a aprovação desta Lei-Quadro é da competência do parlamento, que pode aprovar o prazo que considerar razoável.

Desde 2015 que o PS assumiu o compromisso de “corrigir os erros de extinção das freguesias a régua e esquadro e de avaliar a reorganização territorial”.

A Anafre pretendia ter um novo mapa de freguesias até às próximas autárquicas de 2021.

A reforma aprovada em 2013 levou à redução das 4.259 freguesias então existentes para 3.092.

Pensado em siN Noticias
Recomendado

Últimas Noticías

Grupo de jovens tenta roubar trator de pescadores em Apúlia

Um grupo de jovens tentou, na madrugada de sexta-feira para sábado, roubar um trator de uns pescadores, que tinha...

Funcionários judiciais em greve 02 e 03 de agosto e contestam serviços mínimos

O Sindicato dos Funcionários Judiciais marcou uma greve para 02 e 3 de agosto para todos os funcionários judiciais...

Utilização de máscara deixa de ser obrigatória na via pública em setembro

A utilização de máscara na via pública deixará de ser obrigatória a partir de setembro, exceto em situações de...
- Publicidade Institucional -spot_img

Desporto

ADE-Associação Desportiva de Esposende apresentou plantel para a época 2020/21

Hoje sábado 29 de agosto, a ADE apresentou o...

Atleta do Gemeses em destaque nas redes sociais da Força Área

O Tenente José Maciel, canoísta do Gemeses é destaque...
- Publicidade -spot_imgspot_img