José Maria Ferreira – Diretor do jornal N Semanário

Esta semana não evitei voltar a sentir vergonha alheia, ao assistir a mais uma apresentação gastronómica pela Câmara Municipal de Esposende. É certo que vou ouvindo regularmente os funcionários apelidar Benjamim Pereira de «chefe». Mas com franqueza nunca pensei que a ideia fosse fazer da autarquia um restaurante.

É uma tristeza o que se está a passar. É uma tristeza a pequenez intelectual com que se tratam os assuntos. É uma tristeza verificar constantemente que o horizonte desta gente se esgota mesmo antes de começar.

O país vive desde março uma situação atípica, que já custou cerca de 200 mil empregos e que irá custar milhares de falências ao tecido empresarial português. Uma crise extensível a todo o mundo, numa luta que demorará anos a travar e onde ninguém sabe quando, e se, iremos recuperar na totalidade.

Vemos diariamente entrevistas e reportagens acerca da fome que se vive, das dificuldades para fazer face às despesas mais básicas. Isabel Jonet tem insistentemente alertado a existência de milhares de «novos pobres», gente que até há poucos dias vivia sem dificuldade.

Esta gente gasta mais uma vez milhares de euros a criar um prato para o concelho, como se fosse solução para os problemas atuais, após o recorde mundial, e que certamente nunca será batido, de terem criado o Polvo mais caro da história da humanidade, e que a quase totalidade dos esposendenses nunca teve oportunidade para provar (quanto mais os de fora).

Agora é o Robalo. Não sei qual é a ideia destes pensadores políticos de quinta categoria, mas vou informar António Costa que talvez a solução para o défice seja um «Sarrabulho» ou um «Leitão à Bairrada». Mas uma coisa sei, o Robalo é, com toda a certeza, a solução para todos aqueles que, por terem fome, desesperam por uma sopa. Olho para o nosso concelho e não entendo como se gastam centenas de milhares de euros em polvos e robalos, com tanta coisa por fazer. No mínimo é falta de vergonha.

O país está mergulhado numa crise económica sem precedentes. Já toda a gente percebeu que este ano o turismo não tem solução possível. O país e o mundo desesperam por soluções. E por cá, Benjamim Pereira trata o concelho como se fosse o quintal lá de casa. Se calhar esta ideia brilhante até já foi testada no célebre convívio com mais de 100 pessoas em tempo de pandemia. E, aparentemente todos poderão pagar o Robalo. O problema é que Esposende não são apenas 100 pessoas.

Portanto, após o sucesso do Polvo, temos o Robalo, mas que se for à imagem de quem nos governa, será um Robalo muito, mas muito pequenino.

Nota: Mais uma vez a Câmara de Esposende esqueceu-se de dar conhecimento das suas atividades a este jornal. Algo que já se tornou normal e que já está devidamente denunciado às autoridades competentes. Mas não é por isso que deixaremos de fazer o nosso trabalho. O N Semanário tem 10 anos de existência, está registado na Entidade Reguladora para a Comunicação sob o nº 126308 e como Empresa Jornalistica n.º 223993. Foi vitima de inúmeros processos judiciais por parte destes ditadorzecos de vão de escada, tendo vencido todos. Esposende sabe que pode contar connosco.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here