Maldita Nona!

Maldita Nona!

-

- Publicidade -

Pedro Costa Santos – Músico

Para nós, o número nove não passa disso mesmo… é um número ou apenas mais um número. Mas no mundo da Música – esse mundo repleto de lendas, mitos e superstições – o número nove traz consigo o peso de uma maldição: a maldição da nona sinfonia.

É certo que existem grandes compositores de sinfonias, por exemplo Mozart ou Haydn que compuseram 41 e 104 sinfonias respetivamente e que são da mesma época de Beethoven, mas esta maldição começa precisamente com este último compositor.

Ludwig van Beethoven (1770-1827) que, como os leitores mais atentos o saberão, ainda começou a escrever a sua décima sinfonia, mas não a terminou. Ficou apenas escrito um pequeno fragmento de cerca de 350 compassos que deveriam corresponder ao primeiro andamento da mesma. Quanto à sua nona sinfonia, estamos perante uma autêntica obra-prima. Beethoven estava já com sérios problemas de saúde e até completamente surdo! No entanto, é indiscutível a qualidade e genialidade presente nesta obra. Recorde-se, por exemplo, o poema “Ode à Alegria” (ou Hino da Alegria) presente no início do quarto e último andamento desta sinfonia. Este poema é desde 1972 o hino oficial do Conselho Europeu e, desde 1986, o da União Europeia. A Unesco considerou- a Património da Humanidade em 2001, tornando-se a primeira obra musical a ser distinguida com este galardão. Coincidência ou não, o que é certo é que um conjunto de famosos compositores que sucederam Beethoven não conseguiram atingir o alvejado número nove: os alemães Félix Mendelssohn (1809-1847) com cinco sinfonias, Robert Schumann (1810-1856) com quatro, Johannes Brahms (1833-1897) também com quatro e o russo Piotr Ilitch Tchaikovsky (1840-1893) autor de sete obras do género (incluindo a Sinfonia Manfred).

Outros compositores tornaram-se vítimas da fulminante maldição ao alcançarem o fatídico número nove, como o alemão Louis Spohr (1784-1859), o checo Antonín Dvorák (1841-1904) e os austríacos Anton Bruckner (1824-1896), Franz Schubert (1797-1828) e Gustav Mahler (1860-1911).

O medo de alcançar o número nove era evidente em alguns compositores. Gustav Mahler (1860-1911) chegou mesmo a tentar escapar à maldição por meio de um subterfugio: quando terminou de compor a sua nona sinfonia, riscou o número nove da partitura e publicou-a com o nome “Das Lied von der Erde”, ou em português “A Canção da Terra”. Continuou o seu trabalho de composição e lançou mais tarde (1910) uma nova sinfonia que a intitulou como Sinfonia n.º 9, o que na verdade seria a sua décima sinfonia. Ao publicá-la chegou mesmo a exclamar que o perigo teria passado. No entanto, a verdade é uma: morreu tempos depois, a cerca de dois meses de completar 51 anos de idade.

Mas será que essa maldição ainda paira no universo da composição? Diz-se que a maldição terá terminado há relativamente pouco tempo, em 1953, quando o russo Dmitri Shostakovich (1906-1975) compôs a sua décima de quinze sinfonias.

Artigo anteriorAssociativismo
Próximo artigoTerra Mar

Pensado em siN Noticias
Recomendado

Últimas Noticías

Grupo de Cidadãos de Marinhas entrega dossier com 250 assinaturas na Junta de Freguesia

O Grupo de Cidadãos de Marinhas que tinha em curso um processo de recolha de assinaturas para a desagregação...

Esposende de luto pela morte da fadista Filipa Menina

Faleceu hoje, aos 33 anos, a fadista Filipa Menina, vítima de doença prolongada. Em 2017 foi-lhe diagnosticado Paramiloidose, doença que...

Bárbara Tinoco atua em Esposende a 11 de agosto

A cantora e compositora Bárbara Tinoco anunciou esta semana a sua digressão, até setembro, em que passará, a 11...
- Publicidade Institucional -spot_img

Desporto

JUVMAR volta a utilizar emblema antigo

Decisão aprovada em reunião de direção. Símbolo utilizado até...

Gemeses em destaque no Nacional de canoagem de mar

Alfredo faria do Gemeses e Paulo Salvador subiram hoje...
- Publicidade -spot_imgspot_img